quarta-feira, 26 de agosto de 2009

A Criança


Child, by Ohnurre

A beleza efémera do suspiro
Baila subtil na pequena face;
Dança doce, de sorriso em sorriso,
E nasce viva, de estrelas e luar,
De mel melódico e risos cantados,
À singela criança do fado.
Que é vida de olhar inocente,
E símbolo sagrado. Se amado,
É amor de coração aberto
E mão estendida, para ti,
Na sua vida de brincar,
Que só ela te sorri.


V capítulo do Prín xD

9 comentários:

Joli disse...

Adorei o poema e a foto que escolheste ^^ Nada mais puro que a alma duma criança*

Leto of the Crows disse...

Brigada ^^

Quando eu era criança era vil... Muahahahaha! (E não digas que ainda sou criança, que ponho-te de castigo!)

João Pedro Manso disse...

Lindo poema
bjos

Joli disse...

ÉS UMA CRIANÇA!

(uma filha decente tem sempre que desafiar a mãe, né? LOL)

Leto of the Crows disse...

Obrigada, João ^^
-----

Fifi... vais levar porrada!

Francisco Norega disse...

Concordo com a Joli! O poema é lindo (como sempre!) e a foto não lhe fica nada atrás :P

Leto of the Crows disse...

Obrigada, Kiko ^^

*Lótus* disse...

Muito belo =)

Leto of the Crows disse...

Obrigada, Lótus ^^

Beijinhos!