quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Alumiar da Noite

O alumiar que raia na noite
É de olhares e esgares pintado.
O perfume que emana enfeitiça
E o sonho que é engana a Justiça,
A Sorte dada, e o Deus por cair.
Quão imenso se adensa no nevoeiro…
Perdida, a alma toma-o por trilho,
Luz essa que cega, Luz do encobrir.
Porém a dor que transmite consome
O conto que o chama Alumiar.
Que alumiação é agora a Fome
E a doce Mentira do cantar.

(Capítulo XIII do Prín)

2 comentários:

Choque-Plúmbeo disse...

:D
O que é o Prín?

Leto of the Crows disse...

É um livro manhoso! xD

("Prín" é o diminutivo)