quinta-feira, 8 de julho de 2010

Dias Passados



Voltei os dias do avesso e sacudi-os.
Libertaram ledos espectros de temor
E almas quelatadas que da morte sofriam
Quanta da sua Fortuna, era a férrea dor,
A dos dias passados, a do desvario.

Voltei a sacudir, num ímpeto de raiva,
E tombou o coração do mundo,
Que não mais palpitava.
Escorreram as lágrimas já secas
E lânguidas de há muito não chorar.

Sacudi e resvalaram as mentiras do amar,
As tochas acesas que queimavam
Quando tocavam nas paredes dos dias.
Extingui-as, para não mais ver então
A pétrea luz dessa lassidão.

E, por fim, daquele somente sacudir,
Caíram-me os dias ao chão.
Os estilhaços extraíram entranhas de vida
E vivissecaram o tempo da terra ida,
No quebrar da eterna imensidão.

(sim, a foto feia fui eu que tirei!)

9 comentários:

Kath disse...

Não é nada feio. Nem o poema nem a foto!

Leto of the Crows disse...

É pois!

Rosa Negra disse...

Devo dizer que li este teu poema ouvindo uma música dos coldplay e, sem querer e repleta de total inocência, descobri uma combinação perfeita para divagar de um jeito doce, que liberta a alma e nos confere magia: )
Parabéns pelo que escreves*

Leto of the Crows disse...

Muito obrigada ^^

Filipa disse...

http://primates-online.blogspot.com/

:)

Filipa disse...

Ehehe pois é, voltei à blogoesfera xD

oooh, obrigadaaa :') agr vais começar a receber mais comentários meus ehehe

beijinhos!

Blood Tears disse...

A dor seca desfaz-se no vento q nada nos deixa senão paredes caídas.....

Blood Kisses

Nonó disse...

Lindos, o poema e a foto.

Leto of the Crows disse...

Muito obrigada ^^