quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Versos Soltos...


Ponto por ponto, pesponto
Pura ponte pela qual passarei.
Que para passar além
Do prado por onde passeei
Pintei de pontos a ponte,
Pela qual passei.

*

Mor era a vida cantada
Ontem, que a cantei alto.
Rugi como quem espanta
Gorda a morte que se empanturra!
Ora, cantei tão alto que enrouqueci,
Minha voz esvaiu-se,
Irrisória deste cantar onde prometi
Rir e cantar até que a voz se escoe.

E, por fim, morri.

8 comentários:

thepoisonousi@thehospital.com disse...

Já visito o teu blog há algum tempo... Hoje passei para - finalmente! - dizer olá!

Adoro a tua poesia.

Abraço!

Leto of the Crows disse...

Olá ^^

Muito agradecida! Um bom Natal ^^

Beijinhos!

Brid disse...

Este foi um dos poemas mais simples e bonitos que eu já li aqui :) Adorei mesmo mesmo muito ^^

E a foto é perfeita *.*

thepoisonousi@thehospital.com disse...

Feliz Natal, amiga Leto!
E haja poesia!!!

Um beijo.

Lord of Erewhon disse...

Deixa em rascunho n'O Bar... :)=

Beijinhos.

Hatecraft disse...

Valorizo muito a aliteração utilizada na primeira estrofe. Bom poema, no geral. Fico feliz por encontrar mais poetas por estas bandas, e ainda mais por uma poeta com bons gostos musicais!

Hatecraft, http://hatecraftld.blogspot.com

Leto of the Crows disse...

E eu muito agradeço o valor dado ^^

Um muito obrigada pela visita!

Abraços!

Hatecraft disse...

Gostei deste poema. Diria que estou perante alguém que se dá muito bem com aliterações. A melodia criada nos teus poemas é muito boa.

Hatecraft, http://hatecraftld.blogspot.com