sábado, 20 de março de 2010

Fantasma de uma Rosa (continuação)

Respondeu-lhe com uma risada, executando uma vénia respeitosa, o comprido cabelo alvo escorregando em direcção ao chão, mas sem lhe tocar.

“É para mim uma honra ser a agraciada do vosso cumprimento”, disse, antes de voltar a endireitar as costas e continuar o seu passeio pelo jardim, com destino ao centro deste, onde fora construído um pequeno coreto, cem anos atrás.

As colunas que sustentavam o tecto, torciam-se sobre si próprias, formando espirais em redor das quais os espinhosos ramos das roseiras floridas se quiseram envolver, um dia, finos no princípio dos tempos, mas agora quase com a espessura do seu pulso delgado. No meio do coreto, fora construída uma fonte baixa, no íntimo da qual se elevava a estátua de uma sereia que, sobre o colo escamoso, segurava uma das estrelas que caíra do céu, e se fora implantar nos mares. De braço erguido, a outra mão amparava uma rosa em pedra, donde um pequeno repuxo brotava, salpicando a água onde meia dúzia de peixinhos dourados nadava tranquilamente. Há uma semana atrás, eram, na verdade, sete seres aquáticos que ali residiam, todavia um morrera e servira de alimento aos companheiros que fizeram questão de o integrar em si, outra forma de eternizar um ser vivo, junto às almas dos irmãos.

Sentou-se num banco comprido mas raso, e cruzou as pernas, agora já protegida da chuva que se precipitava alegremente. Levou uma madeixa encharcada para trás da orelha. Se o pai a visse naquele estado, dar-lhe-ia uma severa descompostura, relembrando-lhe que não seria assim que um jovem senhor lhe tomaria a mão. Não sabia ele que tomada já a sua mão se encontrava, a incorpórea aliança colocada no dedo anelar, desde que nascera ao frio da madrugada. Atentou o céu e as formações volumosas que pareciam incansáveis no seu ledo choro. Um novo relâmpago iluminou os céus, desta vez um raio flamejante que se precipitou dos altos, fendendo o ar e perecendo a alguma distância, numa queda magistral. Mais depressa do que o anterior, o segundo grito do universo fez-se ouvir, tão definido aos seus ouvidos que poderia ser humano. E não teria ele um pouco de cada ser em si?

Esticou a mão para uma das rosas próximas, e afagou-a, permitindo que os orbes azuis se deixassem mergulhar na meditação. Um fumo branco ergueu-se das pétalas onde os seus dedos tocavam, enquanto o escarlate passava a um tom laranja flamejante. O processo pareceu lento, sob o seu olhar, porém à observação de um comum mortal, as pétalas teriam transformado aquela rosa numa flor de fogo. Sem autorização prévia, a chama não se propagou à restante planta, como seria esperado, mantendo-se acesa entre a sua mão, os tons das labaredas dançando ao vento que se projectava pelas arcadas.

Dois relâmpagos precipitaram-se do céu e atraíram-se num só, caindo a pouco mais de um metro do coreto. A chuva intensificou-se, a sua natureza mudando de estado, aos poucos, tornando o ambiente mais frio com o gelo de que agora era feita, para amenizar aquela chama ardente que provinha do seu âmago. Algum do granizo chegou mesmo a penetrar aquele pequeno santuário, por pouco tempo, derretendo-se nos segundos seguintes, numa célere mudança de estado que tinha como catalisador a sua mera presença. O rugido proferido pelos céus, desta vez, fez estremecer as fundações da construção onde a donzela se encontrava e fê-la arrepiar-se, porém não de temor, e sim do prazer de observar a manifestação que o clima ritualizava, intensificando-se segundo a segundo, perceptível aos cegos e fazendo-se sentir até mesmo pelos insensíveis que, esses sim, tremeriam de medo, a alma querendo fugir-lhes do corpo. No entanto, estando irremediavelmente presa, só podia magoar o invólucro que habitava, nas suas tentativas ridículas de vãs, de escapar.

Lentamente, as pálpebras de pestanas compridas encerraram-se. A mão escorregou da flor para o caule, acariciando-o, enquanto o transmutava no mais puro fogo que seguiu o labirinto entrançado de ramos, acendendo-os, num rápido rastilho luminoso que, partícula a partícula, transformou todas as roseiras num círculo de fogo, no qual a origem era ela. Após isto, o fogo enveredou pela única rosa que ainda não fora colhida por si, a rosa branca, estendendo uma língua alaranjada para o punho rendilhado do vestido, na mais eterna fome. Depressa todo o vestido se inflamou, num espectáculo que nem o melhor ilusionista poderia proporcionar. Quantas damas não desejariam poder afirmar que vestiam um próprio Elemento, revelando-se das mulheres mais elegantes e exóticas do Universo? Imensas, mas só aquela podia vangloriar-se de realmente o ser, sem almejá-lo. Mas aceitando-o com a maior das honras.

O alto do mundo tornou-se cada vez mais negro, contrastando com os relâmpagos que se precipitavam e as chamas que ardiam, qual milhares de archotes unidos, tomando conta do seu corpo. A própria pedra, de que era feito o coreto, incendiou-se, e a sereia gritou, da sua fonte, quando se deu conta que não era ela imune àquele fogo mágico que parecia poupar os vivos mas não os inanimados, pensando se seria aquele o Inferno dos sem alma, os que não possuíam a chama do fulgor crepitante. Porém, todos esses pensamentos pereceram, pois também ela morreu, consumida.

Continua...

(imagem por Majin-sama - White Rose)

2 comentários:

ISHORUT disse...

Gosto bastante...espero pela continuação!

Leto of the Crows disse...

Muito obrigada ^^