quinta-feira, 15 de abril de 2010

A Cor da Vida


Black, by 7th November

Será monocromática a dor?
Ou terá em si o colorido sabor,
Do que é fraqueza e cobardia?
Digo-a multicolor na sua agonia,
Em grito alto de rasgar a voz,
Um pranto erguido, só por vós,
Para que ouvis suplica tão muda.
Que é sofrida a mente arguta
Do perceber que perece em nada,
Mente que pensa, estagnada,
No Presente vazio que passou
E Futuro que seria e que ficou
Preso, por não ter sido
Migalha estendida ao mendigo
Que na morte do pensar,
Acabou na vida por matar
A existência a negro colorida…
Que negra é a fusão das cores da vida.

4 comentários:

Kath disse...

E como eu sou a Escuridão, todas as vidas são minhas! Muahahahah!

Agora a sério, gostei do poema. E gosto mais ainda de ti. *

Leto of the Crows disse...

Claro que as vidas são todas tuas, ninguém põe tal em dúvida! E obrigada ^^

Sammael disse...

Leto...já não vinha cá algum tempo...continuas a escrever como sabes tão bem...



abraço

(gothicum)

LitZine disse...

Olá!

Passámos pelo teu blogue.

Pelo que vimos és o tipo de pessoa que procuramos.

Temos um fórum de discussão e uma webzine literária online: são espaços abertos à discussão saudável sobre livros, escrita, por aí…
Achamos que também tens algo a dizer.

Deixamos-te os links, passa por lá, deixa a tua marca e passa a mensagem!

http://lit-zine.blogspot.com – webzine literária

http://www.topfreeforum.com/litzineforum