sábado, 29 de janeiro de 2011

Pontos Negros

A neve caía, atapetando os escombros que se amontoavam nos recantos assombrados. Almas pintadas de cinzento espreitavam sob os ramos despidos de vida das árvores que floresciam espíritos desnutridos. Nada mais havia para comer. A vida, na sua essência mais clara e radiosa, murchara e perdera as suas pétalas enraizadas no cerne do coração. Contavam-se os dias que tinham passado desde o Fim. Um, dois… na verdade, eram somente segundos que se prolongavam, arranhando o que ainda suspirava, esventrando o que gritava. Não por quererem, que o Tempo nada mais quer senão decorrer no seu apressado corrupio. Porém, quem o obrigava a prolongar-se indefinidamente, como se parado num momento grotesco de um retrato surreal? Os atentos conheciam a resposta, viam-na olhá-los na sua mortandade desfalecida. Que muitos eram os olhos que abarcavam o horizonte, aproximando-se, sequiosos. Os crocitares encheram o céu em uníssono, qual canto de outro mundo. Que se não havia vida para devorar, a morte seria alimento para os corvos. Enquanto os segundos adensassem o seu trilho no Presente, aquele momento perduraria.

3 comentários:

Blood Tears disse...

O momento eterno em que jazem desprotegidos aos nossos olhos, passado, presente e futuro......

Nós, os Corvos.....


Blood Kisses

Z de Zé disse...

oO muito giro letinha ^^

Leto of the Crows disse...

Obrigada aos dois ^^