quinta-feira, 4 de junho de 2009

Dança!



Um passo e revirou.
As mãos delicadas de seda
Branca e púrpura
Erguiam as pontas do vestido.
Que se baixou e saltou,
Ritmo ao toque do violino.
Vivo e dançou.
Sorriso amplo, que alegria!
Um passo em frente, um passo atrás,
E novo revirar, bailar
Em pontas de pés ferventes,
Uma vénia que recomeça
Que não pára a alma
Esvoaçante.
Rodopia, cabelo solto d’ouro
Corrente viva,
Descalça pelo som.
E canta, oiçam-na cantar!
Rosa acesa do Ocidente
Incendiado. Fogo!
Que arde em fulgor,
Extinta estrela do povo.

6 comentários:

Kath disse...

Eu é que não sei dançar. ;_;

Fofo!

HornedWolf disse...

Então é este o teu blog.
Vou passar a ler-te aqui também e a segui-lo. A tua escrita é prazerosa.

*

Leto of the Crows disse...

Katawina,

Eu também não sei dançar, e reconheço esse fofo como qualquer coisa "Não gostei lá muito". Ora, eu também não xD

HornedWolf,

Muito obrigada pela visita, fico contente por teres gostado ^^

Beijos!

Gothicum disse...

Violinos, sedas, e ninfas da dança celestial...e claro, escritas como a tua, dá estes textos...

Ps: Também sou pé de chumbo...:)
Abraços Leto

Joli disse...

Toda gente sabe dançar, só precisar de se deixar levar pela música ^^

DarkViolet disse...

A dança consegue ser cega e ao mesmo tempo temperar a Alma em círculos incessantes. Assim arde como o descreveste