sexta-feira, 12 de junho de 2009

Um Beijo à Alma


Um beijo. E serás minha
Rosa doce de paladar campestre.
Um toque. E deslizarás, suave,
Sobre o peito que te anseia,
Tão vivo e vão de palpitante,
Do não querer que te apartes.
Mas o canto respira amor,
E chama. Como te chama ele!
Deixas-te ir. Desvaneces-te,
Nas palavras quase quentes
Que te sussurro. E adormeces,
Num beijo de engano à alma.

in «O Príncipe do Mar do Interior»,
Capítulo IV - Como Adormecer uma Alma

7 comentários:

Joli disse...

Tão simples e tão belo ^^

Kath disse...

Gosto e quero ler esse capítulo todo com o gatinho!

Ana Priscila Sousa disse...

oh!! Quero mais!!!

DarkViolet disse...

As flores tem o poder de preencher o Ser em diversas tonalidades

dumb i sound disse...

tá muito giro dona Leto!

quase afrodisíaco xD

t i a g o disse...

Não sei explicar bem isto, mas parece que enquanto lia as palavras, estas flutuavam, talvez na eminência desse tal beijo de engano à alma.

*

Lord of Erewhon disse...

Este é excelente! - publica n'O Bar (deixa em rascunho, que eu depois meto uma foto à maneira).

Beijinhos.