quinta-feira, 23 de julho de 2009

Peste



Não te sorri o olhar fosco
Esfolado em agulhas que te aguilhoam.
Não te sorri que nasceu morto,
Aborto de garras estendidas. Que te doam,
As mágoas da luz que a ele deste,
Quando a ti arranhar a negra peste.

Que o abortinho ri-se…
Ai a peste tem humor vítreo estilhaçado!
Rasga o ventre que o sustém e ri-se, ri-se,
Ri-se o cego aborto danado,
Vidro a vidro, vontade férrea e sabor
De sangue rubro e tua dor.

Então, rejeita-lo da corpórea mente, alma andante.
Rejeita-lo em forma de te rejeitares.
Que agora ele não ri, sorri a ti, seu amante,
Que o susténs sempre em ajeitares
Ternos, de dor mal contida.

Um brinde à peste que te alimenta, de putrefacta vida.

7 comentários:

Conversa Inútil de Roderick disse...

Muito forte! Chocante até...! Mas... gostei!

t i a g o disse...

Um poema pesado, a fazer lembrar a Idade Média, nomeadamente a peste negra. Certos versos apreciei de forma especial, como:

"Rasga o ventre que o sustém e ri-se, ri-se,
Ri-se o cego aborto danado,
Vidro a vidro, vontade férrea e sabor
De sangue rubro e tua dor."

Leto of the Crows disse...

Eu ontem devia estar muito mórbida xD

Obrigada a ambos ^^

Bjs!

Kath disse...

O Biscoito chama-me peste. Hmmm. Parece eu. Reles e má.

Leto of the Crows disse...

Mas tu és uma coisa fofa, catarina ^^

João Pedro Manso disse...

Um poema mto forte
Bom mas bom
Bj

Gothicum disse...

...e não teremos, de vez em quando, a peste em todos nos!

Quanto ao escrito...Excelente! Abraço