terça-feira, 1 de abril de 2008

Mentira


Afirmaste lento o crepúsculo que se te reflectia
Num olhar terno do vento.
Promessa foi que a embalarias nessa sua brisa.
(Oh! Não entendo...)

Mentiste.

Sublime declamaste os versos do coração
Que só por ti amavas.
Cantaste à ninfa que era doce,
Só, na frieza das palavras.

Mentiste.

Beijaste os lábios que desejavam o doce descuido
Só do amor prendado.
Mas corruptas farpas eras tu
No pôr-do-sol velado.

Mentiste.

Voou, por fim, ave livre, dolorosa,
Sem as plumas do carinho.
Prometeste esperar, não esperaste.
Fugiu ela do entardecer triste do seu ninho.

Mentiste.
***
(Dedicado ao dia das mentiras ^.^)

8 comentários:

Kath disse...

Sublime.

E reparo agora que não contei nenhuma mentira para celebrar este dia. *snif*

Laepo disse...

lindo poema, sim senhora :)

Leto of the Crows disse...

Olha quem é ele... o biscoito!! ^^

Muita agradecida pelos vossos comentários, honrado senhor e maléfica senhora das trevas xD

Beijos**

PayNe disse...

Tanta mentira junta!!! Lady Leto, nao imaginava tal coisa!!! aiai!!!

:P

=[

Leto of the Crows disse...

O meu príncipe das trevas está a insinuar que eu minto?

Oh! Que vil fado é este... xD

(Eu e a Kath vamos aniquilar-te, para aprenderes a respeitar as senhoras do mal!)

Pedro Jorge disse...

que dia sem significado.

mentiras há todos os dias e haverá sempre. nem acho que sejam coisa boa.

melhor era falar do dia depois de amanhã...

embora o teu poema tenha qualidade.
Não sou lá muito amigo do dia das mentiras... :(

Pedro Jorge disse...

Muito bom.

Acordei com o pé esquerdo.

Mas gostei mesmo. E não sei o que me deu para ser negativo.

Talvez quis trazer uma pitada de retardamente na minha conversa, porque espetei uma mentira hoje quando o dia das mentiras foi há 2 dias...


E vendo que a vida são dois dias, considero-me morto :)

Não desistas de escrever.

O Vento disse...

Bonito blog, o teu "Meias do Crepúsculo" :D