quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Predador


Não existe brava resposta
Ao que de invisível se chama
Morte e causa de morrer.
Não existe, quando caças
Disfarçado de cantiga e rosa.
De poema e alento, tão disfarçado,
Passo ante passo.
Que contas, perecidos aqueles d’outrora,
Fogosas mentes e almas sãs.
Contas e cantas pelas vielas,
Faces tão disformes de belas,
Que todas elas és.

(Poema pertencente ao VI capítulo do Prín.)

5 comentários:

p a t r í c i a * disse...

Oh Leto, que poema tão bonito!

Quem me dera escrever como tu :(

Leto of the Crows disse...

Mas tu já escreves muito bem, Lifi ^^

Com a tua idade, queria eu escrever como tu :P

Joli disse...

Uau *.* Cito a Patricia xD

E a imagem... brutal! :D

Lord of Erewhon disse...

Mete este n'O Bar, está excelente!
Deixa em rascunho, que eu arranjo uma imagem fixe...;)

Beijinhos.

Leto of the Crows disse...

Mais oui, monsieur ^^