quarta-feira, 12 de maio de 2010

Os Abismos


Son of Midnight Sea, by Sedative God

O céu pintado a negro caiu,
Cantando aos deuses o seu choro
Temente de não poder retornar.
Que não retornou do Mar
Onde o seu choro se ouviu.
Tomaram-no em seus braços as ondas,
E aprofundaram-no de mágoa em si.
Profundo, tão profundo,
A profundeza que tingiu de si.
Que se criaram assim, nos recônditos,
Dos frios Mares da Incerteza,
Os negros abismos sem fim.

(Capítulo XI d'O Príncipe do Mar do Interior)

2 comentários:

Kath disse...

Ainda não acabei de ler aquilo que me mandaste. ;____;

Mas o poema está bonito!

Leto of the Crows disse...

Porque o que eu escrevo é feio!

Mas obrigada ^^