sexta-feira, 15 de maio de 2009

Mãos do Passado


Caminhas por entre mãos,
Que se estendem ao alcance do toque.
Contudo, em ti não tocam, onde estão?
Caminhas e não as alcanças.
Oh! Para onde vão?
Que deslizam, subtis sonhos de desentender
E não verdade, mãos assim,
Que acenam vagas, para ti,
Da janela pela qual espreitam,
Essas mãos abertas d’estendidas,
E mãos tuas que se fecham,
Dessas mãos, algures esquecidas.

5 comentários:

Kath disse...

Goto ti e do teu poema.

Leto of the Crows disse...

Eu também goto de ti ^^
Mas só de ti, do poema não xD

(Este é para o terceiro capítulo do Príncipe hehe)

Gothicum disse...

"Se a dúvida está te desafiando e você não agir, as dúvidas crescerão. Desafie as dúvidas com acção e você crescerá. Dúvida e acção são incompatíveis."
(John Kanary)

Dizem os antigos que as três partes da alma física são:
*os olhos- mostram o interior dos ser...
* Os lábios- transmitem a paixão do espírito...
*As mãos- moldam a dureza da pedra na perfeição humana imaginada pela alma...

...que essas mãos sejam capazes de transformar, de transmitir o que de mais puro a alma nos fornece...a felicidade!

Muito bom Leto, muito bom. Abraços

Joli disse...

Esse poema, o tal escrito no metro xD

Está mesmo lindo Leto, nao te atrevas a dizer o contrário!!! =C

E a foto... perfeita ^^

baby piggy disse...

Há mãos que se perdem.
Gostei :D *